rap radikal lésbiko por raposa

rap lesbiko radikal, vegano, ecologista e combativo!

O fardo da ofensa nos ombros carrego
A palavra radical é calúnia pros cegos
Presos na ignorância como podem
Viver sem raiz?
Viver sem história?

A ganância incessante gerou tudo o que existe
Conquistando território e gerando povos tristes
Que só vivem o desconforto do que repetem dia a dia
Que pensam ser a enfermidade o que acaba com a agonia

É zona de conforto toda iludida
De uma sociedade que há muito está perdida
Que leva à doença e à escravidão
Leva à opressão daquelas que não detem poder nas mãos

E você vem dizer que basta a gratidão
Sem notar que estamos em tempos de guerra
Petulantes sem cessar destruindo a Mãe Terra

E sem as guerreiras todas as outras sucumbirão
Sem as curandeiras as espécies se extinguirão

Radical, que cava até descobrir a verdade
Da continuidade do poder dos homens
Que matam nossa dignidade
Sobre aquelas que foram e são queimadas no fogo da mediocridade
Apedrejadas, condenadas por um deus que fede a maldade

Escravizadas desde a nossa infância por essa cultura repulsiva
Que nos tira o ser criança transformando desde cedo em objeto
Anulando a liberdade em seu decreto

E hoje a violência se veste de sutileza
Cegando sua clareza
Naturalizando o corpo machucado
Drenado de prazer disfarçado
Num lugar de sofrimento em vão
Na cama do vilão

Liberta sua fúria

Revoltada, resgate da selvagem odiada pela civilização
Odiada pelos que mentem dizendo ser irmãos
Insistindo que por sua hipocrisia devemos juntar as mãos

Detestada, inclusive, por aquelas por quem luto
Isolada pelo mundo, sem que haja para mim um chão
Em que possa pisar e assegurar
“Este é o meu lugar”

Sou a guerreira amazona
Sapatona
Amante daquela que sangra sem redoma
Que também traz na alma o brilho e a ira

Pobre Pacha Mamma na cidade mal respira

Sou a selva corpórea da flora que cresce sem cessar
O incômodo de quem quer me manter no lugar
Em que não nasci pra ficar

Sou a bruxa sem sistema, sem destino
Tratada como a louca em ruína
Sem migué, eu confirmo e boto fé
Se ser sã é seguir a sina da rotina
Da vida aprisionada na cortina de fumaça cinza

Sou então a mais louca das loucas

Pouco me importo com o quanto incomodo
Com o quanto tentam me silenciar, e me anular
Distorcer as cruas e duras verdades que tenho a dizer

Na real isso já é de se esperar
Dos patriarcas que só querem nos aniquilar
Nos feminilizar e nos educar
A sermos complacentes com a terrível cultura do estupro

Que tira o valor do nosso NÃO
Misoginia pornografia pedofilia lesbofobia e mutilação

Continuarei resistindo
Sendo visível, insistindo
Declarando o meu ódio contra o patriarcado
que faz a vida da mulher trancada

Contra a heterossexualidade compulsória, o racismo
e toda injustiça vexatória
Mulheres periféricas são as que mais sofrem com essa história

Sou a ancestral pelo tempo transportada
De bastão e labrys armada
Declaro a batalha
Sapatão, peluda e antiestética
Viajo sem rumo e faço arte sem apego à matéria

Assim como você parceira
Sou sobrevivente guerreira dessa realidade
Na sagacidade
Não precisamos dos homens nem dessa pútrida cultura
Suposta solução que é o veneno que nos mata

Tu não tá sozinha, até o fim dos tempos, seguiremos na luta

1a Semana da Visibilidade Lésbika na Figueira

visibilidade lesbika figueira blog-01

mais info: https://figueira.noblogs.org/post/2016/08/15/atualizacoes-y-destrinchamentos-i-semana-da-visibilidade-lesbika/

___________________________________________________________________________

A lésbica que NÃO SOMOS

(adaptado de la arepa chora, radio lésbica chilena)

Não somos a lésbica que parece hetero e que gosta disso.
Não somos a lésbica que restringe sua lesbiandade ao que faz na sua cama.
Não somos a lésbica que se apaixona por ‘pessoas’, não de mulheres, como se o amor romântico desintegrasse o Patriarcado.
Não somos a lésbica que se nomeia bissexual.
Não somos a lésbica que perdoa a misoginia de seus amigos gays porque eles são “tão discriminados como nós”
Não somos a lésbica que acredita que colocar saia e saltos é a revolução porque “rompe o estereótipo da lésbica feia e masculina”
Não somos a lésbica que se vale do trabalho precarizado doméstico de outras mulheres para poder fazer sua vida laboral, esportiva e acadêmica.
Não somos a lésbica que pede ao Estado segurança para seu ninho de amor heteronormado.
Não somos a lésbica que paga milhares de dólares para inseminar-se sem questionar a especulação com que a indústria médica se enriquece as custas de seu “instinto materno”. 1
Não somos a lésbica que acredita que o problema está em que algumas somos muito radicais e violentas e não no sistema radicalmente misógino.
Não somos a lésbica que quer ser desejada, nos basta com o sermos desejantes.
Não somos a lésbica que quer conseguir acordos com um mundo que nos odeia.
Não somos a lésbica que aplaude as novas masculinidades de seus amigos mas detesta uma sapatão masculina.
Não somos a lésbica que acredita que ser respeitosa é ficar calada ante a lesbofobia e o racismo.
Não somos a lésbica que acredita que tudo vai melhorar.
Não somos a lésbica que acredita que somos ‘todxs iguais’.
Não somos a lésbica que fala de visibilização e normalização como sinônimos.
Não somos a lésbica que gosta das mulheres “bem mulheres”.
Não somos lésbica que quer ser presidenta, policia, militar ou acionista.
Não somos a lésbica que celebra o orgulho gay.
Não somos lésbica que celebra festas pátrias.
Não somos lésbica que acredita na maternidade como propriedade privada.
Não somos lésbica que se sente cômoda em sua lesbianidade de profissional de classe média.
Não somos lésbica que acredita que a atriz hollywodiana que sai do armário se parece comigo.
Não somos lésbica que se importa mais com se o casamento gay é legal nos EUA do que se matam indígenas na cidade em que nasceu.
Não somos lésbica que crê que ser lésbica é apenas ter sexo com mulheres.
Não somos lésbica que acredita que basta somente ser lésbica.
Não somos lésbica que acredita que estar gorda é ruim para a saúde.
Não somos lésbica que defende o discurso dos direitos humanos.
Não somos lésbica que acredita que o aborto clandestino não é de sua incumbência. 2
Não somos a lésbica que agradece de viver em um país “mais avançado” em “temas de gênero”.
Não somos lésbica que acredita que o feminismo é algo que passa em uma marcha, fora de nós mesmas.


1 Faltou mencionar o eugenismo/racismo dessas práticas de inseminação artificial, além de que lésbicas elitizadas chegam a promover a atrocidade que são as ‘barrigas de aluguel’ utilizando do corpo de outras.

2 Aborto clandestino é uma prática ilegal e onde lésbicas se arriscam maior parte das vezes por mulheres heterossexuais, sendo as lésbicas as que mais realizam ações diretas neste sentido e mantêm as ‘linhas de aborto’ na latino-américa, são as que mais fazem corres para que mulheres possam abortar. Também está a questão de estupro corretivo que faz com que aborto seja uma pauta que lésbicas não podem abandonar. Mas o problema está na abordagem dessa questão: não parece ser a perspectiva mais radical o aborto em si, e sim o fim da prática heterossexual e da supremacia masculina. Não entendo lésbicas e arriscando em políticas de redução de danos sem pautar a radicalização dessa discussão. Ao invés disso chegam a criar discursos liberais onde ‘celebram’ o aborto, procedimento muitas vezes traumático se realizado em condições insalubres e inseguras. Outra questão é, aborto só existe porque heterosexo existe, em muitos casos de que adianta se arriscar a conseguir abortamento para uma mulher quando isso se torna uma zona de conforto para homens da esquerda, que ficam ainda mais seguros de convencer uma mulher a transar sem camisinha, pois alguma feminista conseguirá um aborto para ela? Isso não responsabiliza os homens nem visibiliza a violência que é engravidar alguém contra sua vontade, quando homens criam falso consentimento sexual. Isso nos faz chegar a conclusão de que toda prática sexual onde mulheres saem grávidas é um abuso, pois o homem não a quis proteger e isso em si é uma violência. Não acho que aborto possa ser abordado de forma leviana, é uma discussão bem maior. Algumas chilenas chegam a reduzir lesbianidade a um simbólico heterossexual, reivindicando que ‘lesbianidade é o melhor contraceptivo’. Lesbiandade não é contraceptivo, é um projeto político radical que não se resume a sexo ou mera alternativa individual à heterossexualidade.

a corpa lésbika

1623656_1531010883790216_630412192_n

Há um corpo especifico lesbico…
Um corpo que foge à mutilação heterossexual.
Não se nasce mulher: se constrói
à base de depilações, cirurgias, medicalizações,
regimes/esfomeamentos, violências, exposições
coisificação, hormonização (contraceptivos), maquiagens,
negações.
O corpo lésbico é uma incógnita:
é homem ou mulher?
Quê é esse ser que não se parece com coisa sequer?
Pêlos cobrindo seu corpo,
outro cheiro cobrindo seu corpo
mais ácido, instintivo, selvagem, extasiante
Um corpo que se move e atua
de modos talvez mais brutos, não melindrosos como os de antes
de andar mais desimpedido e seguro
Um corpo-presença que declara sua existência ao mundo.
As cabeças raspadas, os cabelos curtos, as sombrancelhas selvagens,
e modificações rituais: desenhos sobre a pele, alargadores às vezes, perfurações
reminiscências de amazonas tribais
Rituais estéticos da diferença.

Esse corpo que é um enigma nos consultórios,
esse corpo ingestionável para a medicina,
esses pés que pisam o chão,
esses corpos múltiplos e amedrontadores,
a carne não comedida na magreza,
corpo que ocupa e toma espaço publico,
corpo forte e orgulhoso
desacatando o mundo dos Homens
esse corpo libertado e alegre
em fúria, eufórico,
rindo-se enquanto corre do Patriarcado
escapado da sua escravidão.
O corpo confuso e confundido na rua
sem nome certo.
O corpo que se burla dos códigos dos Invasores
Das leis de gênero/casta sexual
O corpo passional
Nele late uma economia erotica radicalmente subversiva
Uma outra geografia de prazer
Mapeam-se outras ondas de gozo
gozos de liberdade e mutualidade com a outra
O corpo que carrega escrituras da resistência e da fuga
A corpa-existência lésbica que habitamos
que encarnamos carmicamente
deliciosamente, desafiadoramente
Corpa-rebeldia lésbica
Que inaugura um outro mundo.

(por Jan. Desenhos também)
1508523_1526278507596787_2130563376_n

As Marginais

por Rafaela Rosa

Adentrar a madrugada ao lado delas, sentir o peso das pálpebras e dormir no quase nascer do sol com um sorriso nos lábios, ao lado delas.
Ver o sol dividir o céu com a lua por detrás dos arranha-céus ao lado dela.
Falar sobre elas, sentir o arrepio na pele pelo toque delas, sentir a solidão ir embora, escorrendo pelos bueiros imundos da cidade dos homens. Não ter medo, sentir-se em casa, sorrir tranquila, ao lado delas.
Olhe fundo nos meus olhos, eu estou contigo. Estamos de mãos dadas, de dedos entrelaçados, no vão do mundo!
Eu entendo sua urgência, eu também a sinto pulsando por todo meu corpo. Eu entendo seu pedido de socorro, o suor nas mãos, a solidão também me corroe, me corrompe.
Não é mais preciso se esconder quando estamos juntas, podemos soltar todo o grito contido, podemos expor nossas feridas e cuidar delas, eu da sua, você da minha, ela da sua, eu da dela, eu da minha, você da sua, ela da dela…
Não estamos felizes juntas, felicidade não cabe quando se carrega nas costas o peso da violência de toda uma vida, estamos seguras e fortalecidas, estamos conectadas, e dividir o peso pode ser razão de mais um dia viva.
Eu estive com elas, estive com as dores delas, estive inebriada pela beleza delas, pelos corpos que sangram, pelas almas que sangram, pelos olhos que sangram.
Eu sou elas, das mãos grandes, das mãos pequenas, do corpo miúdo, do corpo alongado, dos cabelos curtos, dos cabelos longos, dos não-cabelos, da luta!
Lésbicas, elas são as lésbicas, eu sou a lésbica, somos essa palavra que não se diz, somos a solidão, as marginais, a sapatão!
E é com elas que eu quero estar, é por elas que eu quero estar.
Me dê sua mão, se você cair eu te ergo! ( assim como vocês me ergueram ontem)

punkAs

para ver mais trabalhos da Rafaela Rosa, visite http://pornofonica.blogspot.com.br/

Separatista

Separatista

Caryatis Cardea, 1984

 

o que eu estou pensando

nunca poderá ser perdoado

 

homens

estão destruindo

o mundo

 

irão eles descobrir minha heresia?

e eles destróem

um pouco mais a cada dia

isso não será condenado

 

eu digo para minhas irmãs

homens

estão destruindo

o mundo

 

e minhas irmãs dizem

não são os homens

que fizeram isso tudo

eles não são os únicos a serem culpados

 

é casta e classe

é nação

é religião e raça

e eu digo

quem há criado essas coisas?

não, um é orgânico

emergindo como lava

cada coisa foi planejada cuidadosamente

e executada

 

executada eu digo

mutilada estuprada assassinada

envenenada drogada

enterrada viva

estuprada

 

e minhas irmãs dizem

gênero não é nada

é cultura e o papel das mães

a exploração do trabalho

não são os homens

 

e eu digo para minhas irmãs

eu sei no que eu acredito

que cada crime

tem seu perpetrador

e cada criminoso

tem sua vítima

e eu não falo de leis

escritas por homens

mas de éticas tão cósmicas

elas são feitas da mesma matéria que mantêm

o mundo

em balança

 

e eles

e nós

as mulheres

são violadas

a cada minuto

 

de cada dia

 

ano após ano

 

por séculos

 

e eu digo à minhas irmãs

homens estão destruindo

o mundo

 

e minhas irmãs dizem

coalizão androginia

unidade

todos devemos trabalhar juntos

porque

homens

alguns homens

podem ser destrutivos

mas eles podem ser curados

eles são apenas a última forma

de pequenos meninos

mal treinados

 

em uma cultura

cuja raíz e propósito

nós não iremos nomear

 

e eu digo à minhas irmãs

casta sim e classe e religião

heterossexismo e ódio sim

de gays e judeus e pessoas de cor negra

medo da natureza

animais abatidos e mantidos captivos

 

magia banida

 

e o amor

de mulheres por mulheres

abominado

e criminalizado

 

guerra e as armas de guerra

prisão e as ferramentas de tortura

essas coisas não serão perdoadas

linguagens obliteradas junto à suas culturas

e às vezes suas gentes

radiação e depósitos químicos

terras deixadas estéreis

mentes deixadas estéreis

a fome de milhões

um pré-requisito da Sociedade

a dominação de crianças

uma necessidade do poder

 

a escravidão de mulheres

um desejo profundo e primitivo

 

confinamento intimidação genocídio

esfomeamento estupro tortura incesto terror

dor envenenamento terror estupro

estupro

 

e nós gritamos na noite

e agonizamos durante o dia

quem é que tem feito essas coisas?

 

e eu digo à minhas irmãs

homens estão destruindo o mundo

e minhas irmãs dizem

não

há instituições

crenças e preconceitos

nós devemos lutar para eliminar

nós podemos parar suas instituições

mas nós precisamos não confrontar

justo aqueles que as construíram

e que querem elas

e que lucram com elas

e que amam elas

e reconstróem elas

reconstróem elas

e reconstróem elas sobre nossos corpos

 

mas não

minhas irmãs dizem

não são os

homens

não os homens

não os

homens

 

e eu digo

à minhas irmãs

mas é sim.

 

 

PATRIARCADO É A RAIZ DA GUERRA

sem machos = sem guerras.

(poema publicado no livro “For Lesbians Only – A separatist anthology” de Sarah Lucia Hoagland e Julia Penelope. Tradução livre).

Karta pra lésbika de kor

Salve mana!

Tua escrita é um registro de saberes antigo do nosso povo, ke delatam sékulos e sékulos de invasão, kolonização, genocídio, sekuestro, eskravidão, miscigenação  (falo de miscigenação komo violência racial por estrupro kontra mulheres indígenas e afrikanas ter tido o aval da Igreja Katólika no komeço da kolonização na Amérika portuguesa e o plano de brankeamento da população negra arkitetato por racistas brasileiros no sékulo XIX ke trouxe migração europeia pra o país), falsa abolição… Saberes de resistência ancestral nos ajuda a kontinuar akreditando ke o amanhã será melhor porke ontem muita gente morreu pra ke agente sobrevivesse. Nossas mães, nossas avós, bisavós e tataravós ke traziam nas peles pretas e vermelhas os dokumentos de nossa história de luta não podemos deixar isso passar em branko! Sapatão precisa dessa referência ke usa o negro da tinta pra manchar o papel branko kom letras ancestrais. Porke na moral pra saber kem agente é é preciso olhar pro passado. Komo ke agente pode gostar de uma mulher se agente não souber ke lésbika existe? Toda vez ke você sai na rua mostrando a kara ajuda uma lésbika a resistir, tipo igual e eskrita lésbika de kor. Se a família, a alma, a terra, nossa kultura milenar foi negada a noiz, a eskrita então piorou tá na mão dos patriarkas brankos e heteros. Nossas letras ancestrais são orais e agora agente vai tomar de assalto o papel e a kaneta pra história ser kontada pela nossa visão. Pra gente garantir ke as nossas no futuro tenha konhecimento di kem agente é e não no ke o kolonizador ker ke agente seja, entende. Lésbika e ancestralidade: lembro do itãn de Oxum e Iansãn. Tem também as ikamiabas guerreiras indígenas ke viviam numa tribo só de mulheres. Solidão da lésbika negra é embaçado. Tá relacionado kom racismo profundamente. Ao passo ke sobre a lésbika negra rola o fetiche kausado pela hiperssexualização da mulher negra, akontece também o abandono por uma lésbika branka ke não ker apresentar uma lésbika negra pra sua família. Essa solidão tem um impacto profundo nas nossas subjetividades e nas prátikas afetivas, talvez dai vem um jeito de amar esfomeado, desesperado, karente já ke esse amor é tão raro ou até mesmo a depressão e o isolamento. Mas por outro lado o amor romântiko é uma konstrução social utilizada pra o kontrole feminino. A maioria das nossa estão sobrevivendo em favelas e periferias trampando em subempregos tipo telemarketing. São poukas ke tem um estudo em uma universidade. Tem mana ke pela fome ou pela ilusão de ostentação ke o konsumo dá mete us kano na kara dos playboy, tem umas ke trafika e outras ke rodou e tão tirando uns dia. A inklusão na sociedade através do ter nunka vai sei efetiva. É logiko ke agente precisa de um konforto material, mas o kapitalismo é hierárkiko tá ligada. Pra existir privilégio tem ke existir kem não tem privilégio: o povão. O padrão e o patrão é branko, se você ligar a tv vai ver ke o poder kultural, polítiko, intelectual, financeiro, científiko é da elite branka. Então a pobreza e a miséria tem kor e parece kom agente. A únika solução ke eu vejo é a revolução! Uma transformação ke depende de kada uma. É  a revolução do kotidiano ke eu tô falando, reedukação, kritika e rompimento kom padrões de kontrole desta sociedade onde o homem branko riko e hetero é o o modelo. O ke mais parece kom esse padrão tem mais acesso ao sistema. Totalmente ao kontrário da gente. Vamo lá mana agente não tem nada a perder só a ganhar, ganhar a liberdade! Se você ker uma revolução komece em você mesma. Uma vez uma parceira me falou ke os revolucionários se importava kom o ser. Pra mim ser é ouvir os próprio desejos e kompartilhar o ke tem de bom. É fazer o ke tem vontade. Tipo sapatão sabe?! Sentir vontade de ganhar um karinho dakela mana e chegar nela mesmo tendo medo de tomar uma bota. Ação direta meu é entender a realidade e fazer alguma koisa pra mudar. Ser ao kontrário do ke o padrão manda é bater di frente kom o sistema é se rebelar, por isso ke sapatão é uma potência revolucionária. Já reparou ke o certo nessa sociedade e mulher kom homem? Agente por instinto, escolha ou decepção ker fikar só kom mulher. Muitas já nem se chamam mais de mulher se denominam sapatão, lésbika, entendida, fancha, kaminhoreira, lesbiana, butch. A minha função na derrubada do patriarkado é a lesbianidade. Lesbianidade pra mim é ganhar um karinho di noite de uma kompaheira, ter alguém pra dividir a vida. Lesbianidade também é auto kuidado, autokonhecimento, amor próprio. É kuidar das raízes, é respeitar ke kuando o berimbau toka tá mantendo viva a história de nosso povo: lembrando as dores, nos mostrando os perigos do kaminho, nos ensinando a respeitar as mais velhas e as mais novas e a celebrar a vida, celebrar a vida lésbika é lesbianidade. Falo da kapoeira porke kapoeira é igual a vida ke é loka: uma hora agente se eskiva de um pé nervoso, outra agente ataka, outra agente brinka, outra agente luta, outra agente engana, outra agente tenta não deixar se enganar pedindo sempre a proteção da deusa a labrys é meu patuá. Porke lésbika de kor lésbika negra agente vive no korpo. E é tembém ser fechada kom as irmã,  bolar e exekutar os planos antipatriarkado, é ser guerreira e defender a koletividade. Mana lembra sempre de onde você vem pra tá ciente do seu valor de kem você é. E ai então vamo fazer valer a pena pra não mais sobreviver mas pra super viver. Espero ke essas palavra te fortaleça mais ainda.

Valeu

por FORMIGA

ato 8 março em SP – lésbicas radicais presentes

 

Lésbicas radicais autônomas se fizeram presentes no ato de SP segurando faixa escrito LÉSBICAS RADICAIS CONTRA O CAPITAL E O ESTADO RACISTA PATRIARCAL, fizeram uma intervenção artística por meio de se fazer presente usando máscaras e chapéis de bruxa e entoando gritos como: “Vem! caminhão! Vem para a revolução!”, “Acorda mulher! Vire sapatão! O homem é machista e ele não vai mudar não!”, “Se toda mulher virasse sapatão, seria a revolução, seria a revolução!”, “Sapatonas contra as guerras! Sapatonas contra o Capital! Sapatonas contra o Racismo, contra o Terrorismo Neoliberal!”, “Lésbica feminista! sapatona convicta!”, “Não, não! Lesbofobia não!”, “Basta já de repressão! Pela santa inquisição! Botar fogo nas igreja libertar as sapatão!”, “Sapatão não é diferença sapatão é resistência!”.

Até onde soubemos, fomos o único grupo a sofrer violência (lesbofóbica e política) dentro do próprio ato, tendo sido atacadas por militantes do próprio ato, duas de nossas companheiras sofreram agressão e fomos perseguidas e filmadas, até a ação da comissão de segurança do ato atuar e expulsar o agressor do ato e reprimir a ação dos e das (sim) demais militantes. Também sofremos assédio lesbofóbico por parte de mulheres do próprio ato, de outras organizações. Mesmo assim se queriam nos atrapalhar, não conseguiram, seguimos firme com nossa faixa marchando e visibilizando as lésbicas.

Por que você quis ser lésbica?

“Ai a pessoa tem a pachorra de me perguntar isso. Por que eu quis ser lésbica? O verbo no passado nem faz sentido. Eu escolho todos os dias ser lésbica, eu quero ser lésbica, eu quis, eu quererei no futuro. Eu quero ser lésbica porque eu me amo, eu quero ser lésbica porque eu sou livre e quero ser livre, eu quero ser lésbica porque eu estou viva VIVA e não morta e petrificada, eu quero ser lésbica porque eu amo outras lésbica que assim como eu estão VIVAS, eu quero ser lésbica porque eu quero ser visível pra mulheres e quero que elas saibam que também podem ser lésbicas.”

–  Mona

Isso não é uma poesia acho que é uma brisa

Hoje sim linda

é noite de lua cheia
e eu estou conectada a ela
também estou cheia
estou cheia de você
dentro do meu coração
k transborda
alegria
dando energia pro meu corpo brincar
Você é igual a capoeira
ritualística
tem um monte de segredos
é um infinito inteiro
k todo dia me ensina
um poukinho a vadiar
É livre k nem o vento
faz k vai pra depois fingir k vai voltar
malandreando
com o passo cambaleante
É uma caixinha de surpresa
capaz de trocar o sagrado pelo agrado
Me alucina
me deixa ébria
fico tonta somente com as gotas de tua saliva
E os Tambores de Safo
vem celebrar o sal de tua pele
em minha língua
por FORMIGA