rap radikal lésbiko por raposa

rap lesbiko radikal, vegano, ecologista e combativo!

O fardo da ofensa nos ombros carrego
A palavra radical é calúnia pros cegos
Presos na ignorância como podem
Viver sem raiz?
Viver sem história?

A ganância incessante gerou tudo o que existe
Conquistando território e gerando povos tristes
Que só vivem o desconforto do que repetem dia a dia
Que pensam ser a enfermidade o que acaba com a agonia

É zona de conforto toda iludida
De uma sociedade que há muito está perdida
Que leva à doença e à escravidão
Leva à opressão daquelas que não detem poder nas mãos

E você vem dizer que basta a gratidão
Sem notar que estamos em tempos de guerra
Petulantes sem cessar destruindo a Mãe Terra

E sem as guerreiras todas as outras sucumbirão
Sem as curandeiras as espécies se extinguirão

Radical, que cava até descobrir a verdade
Da continuidade do poder dos homens
Que matam nossa dignidade
Sobre aquelas que foram e são queimadas no fogo da mediocridade
Apedrejadas, condenadas por um deus que fede a maldade

Escravizadas desde a nossa infância por essa cultura repulsiva
Que nos tira o ser criança transformando desde cedo em objeto
Anulando a liberdade em seu decreto

E hoje a violência se veste de sutileza
Cegando sua clareza
Naturalizando o corpo machucado
Drenado de prazer disfarçado
Num lugar de sofrimento em vão
Na cama do vilão

Liberta sua fúria

Revoltada, resgate da selvagem odiada pela civilização
Odiada pelos que mentem dizendo ser irmãos
Insistindo que por sua hipocrisia devemos juntar as mãos

Detestada, inclusive, por aquelas por quem luto
Isolada pelo mundo, sem que haja para mim um chão
Em que possa pisar e assegurar
“Este é o meu lugar”

Sou a guerreira amazona
Sapatona
Amante daquela que sangra sem redoma
Que também traz na alma o brilho e a ira

Pobre Pacha Mamma na cidade mal respira

Sou a selva corpórea da flora que cresce sem cessar
O incômodo de quem quer me manter no lugar
Em que não nasci pra ficar

Sou a bruxa sem sistema, sem destino
Tratada como a louca em ruína
Sem migué, eu confirmo e boto fé
Se ser sã é seguir a sina da rotina
Da vida aprisionada na cortina de fumaça cinza

Sou então a mais louca das loucas

Pouco me importo com o quanto incomodo
Com o quanto tentam me silenciar, e me anular
Distorcer as cruas e duras verdades que tenho a dizer

Na real isso já é de se esperar
Dos patriarcas que só querem nos aniquilar
Nos feminilizar e nos educar
A sermos complacentes com a terrível cultura do estupro

Que tira o valor do nosso NÃO
Misoginia pornografia pedofilia lesbofobia e mutilação

Continuarei resistindo
Sendo visível, insistindo
Declarando o meu ódio contra o patriarcado
que faz a vida da mulher trancada

Contra a heterossexualidade compulsória, o racismo
e toda injustiça vexatória
Mulheres periféricas são as que mais sofrem com essa história

Sou a ancestral pelo tempo transportada
De bastão e labrys armada
Declaro a batalha
Sapatão, peluda e antiestética
Viajo sem rumo e faço arte sem apego à matéria

Assim como você parceira
Sou sobrevivente guerreira dessa realidade
Na sagacidade
Não precisamos dos homens nem dessa pútrida cultura
Suposta solução que é o veneno que nos mata

Tu não tá sozinha, até o fim dos tempos, seguiremos na luta

lésbika antiestétika

Ela cola, Ela olha, Ela bate um flash, Ela ocupa teu abandono e transforma em squat
Ela é mudança, Ela ri, Ela quer assumir, quer amar, quer beijar quer o preconceito abolir
ELA abranda, ELA é anti moda, Ela é quem capaz, Ela é punk, Ela é rap, Ela é guerrilheira da pazEla é manax, Ela é ación directa, Ela é capoeira,Ela é revolución, Ela é mente fecunda, Ela é antissexista,roda o globo, pedala na pista, Ela é…

Ela é negra na cor raspou o cabelo, Ela é autoestima

em frente ao espelho, Ela é…

Ela é Frida , Ela é Angela Davis, ela é Valerie Solanas,

faz prosa, faz verso, Ela é fortaleza,

Ela é Amazona, Ela é memória viva, Ela é sutil, no

Verso exposto ela tem franqueza, sua ginga é

vera

destreza, Ela é…

Vai que vai!… Lésbika antiestétika

Lésbika antiestétika já rimou

Ela é poétika revolucionou

Antiestétika o mito da beleza destruiu

Vai que vai!… Lésbika antiestétika

Lésbika antiestétika

Seu abraço feminista é acolhedor

na denuncia anti machista sua voz é amplificador

“Ela é Banto, é Nagô, é Iorubá”, Ela é anti heteroNORMATIVA, vai te
escrachar

Ela rima, Ela decora, Ela berra, Ela cria, Ela não bebe e ser livre de
drogas propaga, Ela…

E a resistencia não acaba… lesbianidade É REBELDIA também…

ela vai mais além

Ei DJ “dead men don´t rape”, que Ela é mudança, Ela ri, Ela quer

assumir, quer beijar, quer amar,

Quer a lesbofobia abolir … “Ela é zica na cena”, Ela é poliamor

“Ela é ie ie ie ie, ou ou ou ou”…

Movimento P I N T O C O R E ela é skateboard. Ela está compondo

uma canção porém Ela é Rebel Girl, Ela é ms. 45

hein?! Ela é cheia de marra também já viveu, já

sofreu o heteropatriarcado racista na pele… tem parceria na ZN, ZS, ZO
América Latina, ABC e ZL…

Podia me apaixonar…

Ela batuca e protesta, Ela é quem forma a ciranda e DE MÃOS DADAS com a
irmandade

ilumina o breu,

Sororidade é noiz valeu…. ooo MANAXS QUE fortaleceu…

Críticas de uma guerreira Black, é a feminista radical is back, vai

vendo mulequA, Ela é capaz

de deixar os pelos do suvaco crescer e não voltar atrás, Ela é…

Vai que vai…! Lésbika antiestétika

Lésbika antiestétika já rimou

Ela é poética revolucionoau

Antiestétika o mito da beleza destruiu

Vai que vai!… Lésbika antiestétika

Lésbika antiestétika…

Lésbika antiestétika já rimou

Ela é poétika revolucionou

Antiestétika o mito da beleza destruiu

Vai que vai!… Lésbika antiestétika

Lésbika antiestétika…

(Lésbika Antiestétika é uma versão poética da música Mulher Elétrica dos Racionais Mc´s).

 

FORMIGA