Fúria Lésbica! Fotos do bloco lésbico radical na ex-caminhada lésbica

Na caminhada lésbica e bissexual de SP, fizemos uma intervenção por meio de novamente, reaparecer com nossos chapéis de bruxa e mascaradas. Levamos nossa faixa “Lésbicas Radicais contra o Capital e o Estado Racista Patriarcal” e tambores de latão, lambes, stencil, feirinha de materiais lesboterroristas, máscaras. Na concentração e durante a marcha do nosso bloco podiam-se ouvir os gritos:

“Vem caminhão vem fazer revolução!(Toda feminista pode ser uma sapatão!)”
“Lésbicas Separatistas! Sapatonas convictas! (Eu não vou deixar o Patriarcado me abalar!)”
“Sapatão não é diversidade! Sapatão é resistência!”
“Tire o L do LGBT!”
“Lésbica Radical contra o sistema Patriarcal!”
“Basta já de repressão/pela Santa Inquisição!/Botar Fogo nas Igrejas e Libertar as Sapatão!”
ao passarmos ao lado de uma churrascaria: “Lésbica Radical! Contra a Exploração Animal!”
“Sapatonas contra as Guerras! Sapatonas contra o Capital! Sapatonas contra o Racismo contra o Terrorismo Neoliberal!”
“Sapatona! Sou sapatona! Porque quero ver o Patriarcado em chamas!”
“Acorda! Mulher! Vire sapatão! O homem é machista e ele não vai mudar não!”
“É nossa escolha! A vida é nossa! Eu escolhi amar mulheres! Lesbianize! Radicalize! A vida é nossa! É nossa escolha! Eu escolhi amar mulheres!”
“Não! Não! Lesbofobia não!”
“Odeio homem! Beijo mulher! Beijo mulher beijo mulher beijo mulher!”
“Fúria Lésbica!”

A intenção da ação era provocar e gerar um espaço contestatário à lógica liberal e pouco combativa da caminhada lésbica deste ano, renomeada como caminhada ‘les-bi’. Para opôr as cores do arco-íris LGBT, a cor preta da autonomia das nossas faixas e o lilás feminista/lésbico, auto-explicativos. As máscaras para nos proteger e permitir ousar, mostrar que nossa lesbiandade é de luta, e visibilizar a resistência. Gritando a palavra lésbica, sapatão, mostrar que os espaços lésbicos vivem, e não vão desaparecer!

Sempre atrás, quando a marcha chegava ao final, tomamos a frente dela cantando “Sapatão não é diversidade! Sapatão é resistência!”

Logo mais um relato mais detalhado da experiência.

Intervenção Lésbica Radical na Caminhada Lesbitzyxetc… de Sp

POR UM MOVIMENTO AUTÔNOMO DE LÉSBICAS!!
11051871_1442150469437763_8417716011859700816_n
O que são as lésbicas?
Somos desobedientes à Dominação Masculina. A violência masculina é o maior problema planetário, dizimando espécies e recursos naturais, matando pessoas por meio de guerras e do capitalismo e racismo. Ser lésbica é escapar ao modo de ser ditado para a classe das mulheres, escapar à apropriação masculina.
Porque somos sapatonas?
Porque voltamos nosso amor, nosso desejo, nosso interesse, nossas forças para as mulheres. Ser lésbica é um ato de resistência, não é uma mera ‘preferência sexual’, pois tampouco é a heterossexualidade algo natural. A Heterossexualidade consiste em uma política de exploração e genocídio das mulheres.
Por que as mulheres são heterossexuais?
Porque são treinadas desde que nascem mulheres neste mundo patriarcal, para que sejam exploradas pelos homens por meio do sexo, afetividade e maternidade. Para que nunca possam escapar a sua condição de casta oprimida. Lésbicas rompem com esse processo de heterossexualização/feminização.
Porque deveríamos politizar nossa vivência sapatão?
Porque uma lésbica já é uma feminista/radical em potencial. Mesmo que não conscientemente, as punições (lesbofobia) que recebemos se deve à insubmissão e ameaça que representamos para o Poder dos Homens. Se deve ao potencial radical que cada lésbica carrega nas suas existências que são pura rebeldia, fortalecendo uma cultura e laços de apoio mútuo entre mulheres. Recusamos a feminização enquanto processo de violência obrigatório que cada mulher sofre desde que nasce neste mundo patriarcal.
Por que nos recusamos a fazer parte do movimento GGGG/LGBT? 
Porque esse movimento não serve nem beneficia às lésbicas e nossa luta não é ao lado dos homens gays que também são machistas. Este movimento não procura ser revolucionário mas sim incluir-nos no sistema patriarcal e capitalista e não destruí-lo. Porque acreditamos que essa perspectiva anula a força política que existe na recusa de se relacionar com homens, com a classe opressora, mascarando o fato de que a heterossexualidade é um regime de dominação violento: temos como resultado da política heterossexual/supremacista masculina no mundo estatísticas gritantes de feminicídios, falecimentos por violência doméstica, estupros, abuso sexual infantil, tráfico de mulheres e meninas para fim de exploração sexual, e muitas outras atrocidades pelo mundo. Além disso, lésbicas são punidas por meio do estupro corretivo e assassinadas a cada momento. Estas são provas do ódio da classe masculina pelas mulheres e lésbicas.
Não nos basta sermos integradas a esta sociedade patriarcal capitalista-racista que se sustenta da nossa exploração. Queremos OUTRA realidade e outro modo de vida. Nossa existência é a própria resistência. 
O movimento GGGGAY não serve as lésbicas. Não queremos desaparecer na ‘sopa de letrinhas’ nem dar nosso tempo a homens. LGBT é um movimento dominado pelos machos gays e para beneficiar a estes. Tire o L do LGBT!
A política lésbica é um ataque radical a supremacia masculina. Estão enfraquecendo essa política por meio da sua transformação em mais uma mera diversidade sexual.
Por que um movimento autônomo de lésbicas?
Lésbicas precisam de espaços próprios para fortalecer sua luta e priorizar suas existências. Vamos gerar e multiplicar mais e mais espaços de resistencia lésbicos! Precisamos fortalecer espaços exclusivos e apenas de lésbicas para termos nossas pautas discutidas e criar outro mundo. LÉSBICAS POR E PARA LÉSBICAS! Bissexuais e outras categorias podem se organizar autonomamente em seus próprios espaços. Bissexuais não possuem radicalidade pois se relacionam com a classe opressora. LÉSBICAS EM PRIMEIRO LUGAR!
O que é a lesbiandade radical?
Acreditamos que a lesbiandade é uma estratégia política radical contra a estrutura de opressão que vivemos, já que ela atinge mais diretamente o regime da heterossexualidade. Nós queremos a destruição desse sistema de dominação, não queremos ser aceitas, nem ser toleradas. Escolhemos ser um risco a supremacia masculina, queremos ser uma ameaça.
Por um lesbianismo radical!
JUNTE-SE A ESSA RESISTÊNCIA!
FÚRIA LÉSBICA!
dia 6/6, 12h.
concentração: praça do ciclista, avenida paulista, SP
oficina de confecção de cartazes lésbico-radicais, máscaras combativas, tambores, stencil, feirinha lesboterrorista.
venham compôr a bloca com a gente!

ato 8 março em SP – lésbicas radicais presentes

 

Lésbicas radicais autônomas se fizeram presentes no ato de SP segurando faixa escrito LÉSBICAS RADICAIS CONTRA O CAPITAL E O ESTADO RACISTA PATRIARCAL, fizeram uma intervenção artística por meio de se fazer presente usando máscaras e chapéis de bruxa e entoando gritos como: “Vem! caminhão! Vem para a revolução!”, “Acorda mulher! Vire sapatão! O homem é machista e ele não vai mudar não!”, “Se toda mulher virasse sapatão, seria a revolução, seria a revolução!”, “Sapatonas contra as guerras! Sapatonas contra o Capital! Sapatonas contra o Racismo, contra o Terrorismo Neoliberal!”, “Lésbica feminista! sapatona convicta!”, “Não, não! Lesbofobia não!”, “Basta já de repressão! Pela santa inquisição! Botar fogo nas igreja libertar as sapatão!”, “Sapatão não é diferença sapatão é resistência!”.

Até onde soubemos, fomos o único grupo a sofrer violência (lesbofóbica e política) dentro do próprio ato, tendo sido atacadas por militantes do próprio ato, duas de nossas companheiras sofreram agressão e fomos perseguidas e filmadas, até a ação da comissão de segurança do ato atuar e expulsar o agressor do ato e reprimir a ação dos e das (sim) demais militantes. Também sofremos assédio lesbofóbico por parte de mulheres do próprio ato, de outras organizações. Mesmo assim se queriam nos atrapalhar, não conseguiram, seguimos firme com nossa faixa marchando e visibilizando as lésbicas.

Cuidado! Heterossexualidade pode prejudicar sua saúde!

(por Vanille Fraise – grupo de lésbicas políticas. Suiça, 1981)
Heterossexualidade é normal, é natural… ou pelo menos é o que dizem: vaginite crônica (inflamação dos tecidos da vagina), cistites, infecções no útero e nos trompas de Falópio, esterilidade, agravamento de casos de câncer, maior tendência a desenvolver varizes, sensação de peso nas pernas, inflamação das veias, embolismo pulmonar, hemiplegia (paralisia cerebral que deixa um dos lados do corpo paralisado), problemas de visão, problemas de audição, dores de cabeça, flatulência, ganho de peso, estrias…
Essas são algumas complicações do uso ‘realmente seguro’ de contraceptivos criados por homens pesquisadores para que tenham suas parceiras disponíveis a eles 30 dias de 30.
Por outro lado, há as complicações causadas pela gravidez indesejada: aborto e seus efeitos posteriores, (risco de infecção ou hemorragias…), ansiedade, vômito, nascimento prematuro, depressão pós-parto, etc. Também há complicações devido a sofrer várias gestações: anemia, desmineralização, enurese (micção involuntária), prolapsos (quando órgãos “caem”, “saem do lugar”. ex: prolapso uterino)… e também vale mencionar, há a vaginite, frigidez, e a psicologicamente sugadora menopausa.
Todas essas doenças são, em menor ou maior nível, consequências da heterossexualidade; todas são usadas para nos fazer acreditar que nós mulheres somos mais frágeis, mais frequentemente doentes. A prática de heterossexualidade, quase compulsória, serviu muito bem para a medicalização do corpo da mulher pelos homens médicos e pesquisadores.
O período entre os 20 e os 40 anos é o período primordial no qual as mulheres deveriam ficar o menos doente. No entanto, é durante esse mesmo período que as despesas médicas das mulheres aumentam. E a maioria dessas despesas é devido à heterossexualidade.
Você nunca pensou nisso?  e ainda assim….
[Esse panfleto foi distribuído durante uma demonstração organizada dos partidos da esquerda para protestar contra os custos de saúde, que aconteceu em Geneva, na Suíça, no dia 9 de novembro de 1981. Foi reimpresso posteriormente em Clit 007]

as questões feministas não são questões de lésbicas

texto de monique wittig, traduzido por uma companheira.

monique wittig e outras lésbicas radicais foram expulsas da revista materialista feminista francesa, questiones feministes (questões feministas). o artigo é uma crítica ao que ela entende como uma tendência heterocentrada no movimento de mulheres francês e uma brincadeira com o nome da revista.
como o scan tinha problemas, a tradução tá com lacunas. Parece-se um pouco como a ler Safo. Em breve tentaremos disponibilizar o texto na íntegra.

(pdf) As questões feministas não são questões lésbicas

pensamentos sobre lesbofobia

Lesbofobia por parte de mulheres/feministas não passa de uma forma específica de misoginia do colonizado. Afinal a lesbofobia/ódio às lésbicas é uma forma de misoginia especial, serve à heterossexualidade compulsória e a mantêm, mantêm as mulheres na linha, ligadas à classe masculina. Tudo que indica separação dos machos é atribuído às lésbicas e tudo que é relacionado a possibilidade do separatismo e ao lesbianismo é visto como demasiado radical e extremo, demasiado ameaçador pro estatus quo, pra zona de conforto. O pensamento radical lésbico é então, demonizado e as lésbicas feministas queimadas na fogueira da misoginia, porque é ‘revolução demais’, é ir longe demais… isso não é permitido pro povo colonizado que são as mulheres. O pensamento lésbico representa então uma ameaça às bases do patriarcado, a heterossexualidade, logo a lesbofobia é uma forma de misoginia e de dominação sobre as mulheres para não permitir sair do cerco da heterossexualidade compulsória e as doutrinas perpetuadoras da sua ordem.

***

a palavra lésbica pro queer e pro anarquismo/lésbicas anarquistas ou queer é nojenta. todo o tempo tentando apagar essa palavra, com queer, com masculinidades femininas, com o que for no lugar, podem se chamar de tudo menos de lésbicas. Essa palavra é mal vinda em todo lugar, até mesmo dentro do ‘feminismo’. ideologias profundamente lesbofóbicas e anti-lésbicas. sempre se colocando também contra relações profundas entre duas mulheres e patologizando como se fossem ‘monogamia’, ‘dependência’ e ‘feminilidade’, ‘possessividade’. Definitivamente as pessoas precisam entender que a realidade lésbica necessita uma epistemologia, análises, próprias, não podem importar da análise das relações heterossexuais. O contexto das relações e até mesmo das violências que se dão entre lésbicas está permeada pelo contexto lesbofóbico, tudo temos que ler tendo em mente a lesbofobia, até os supostos ‘ciúmes’ (insegurança num mundo de relações instáveis, de abandono familiar, de ataques a suas relações, de ser deixadas por lesbofobia internalizada, etc), isso não é pra desresponsabilizar, mas pra poder acolher esses casos todos sem reproduzir mais violencia lesbofobica contra essas sujeitas. E definitivamente: escrachos e difamações de lésbicas por terem tido relações difíceis e conturbadas (etiquetadas por autoridades morais cristãs do ‘feminismo’ – que as vezes está mais pra um movimento pela feminilidade – como relações ‘violentas’) é pura expressão de lesbofobia e ódio à lésbicas. Sempre a lesbofobia escondida das pessoas encontra um meio de se manifestar e aí nessas situações vem a tona, as grandes vontades de jogarem pedras nas sapatões. Como se fosse fácil pra estas construir modelos saudáveis num contexto de tanto ódio e ódio internalizado.
Meu compromisso é com as lésbicas.

***

também: é lesbofobia idealizar as relações e realidade lésbica, e colocá-las de forma objetificada e fetichista como ocorre no lesbianismo político. é uma lesbianidade definida e colocada para o ‘het gaze’ para o olhar heterossexual, e não definida pelas mesmas, é uma lesbianidade fora de si mesma, definida por outras. é lesbofóbico idealizar e colocar tantas expectativas na lesbianidade e depois se voltar contra lésbicas porque não foram o paraíso idílico que estava posto pelo lesbianismo político ou por sua imaginação, como abrigos da supremacia masculina. sim que são abrigos no mais das vezes, mas essa existência e esses vínculos entre lésbicas e mulheres são fortemente atacados pelo patriarcado por representar uma ameaça direta a este, então logo é esperar demais de uma comunidade que sobrevive contra mil dificuldades, seria estranho se todas lésbicas estivessem bem, se não reproduzissem violências traumáticas deixadas pelo agressor, se não tivessem suas mentes conturbadas pelo contexto de violência em que vivem.

as lésbicas tem que ser obrigadas eternamente a performar e provar pro mundo suas relações, as relações lésbicas tem que ser perfeitas, tem que simbolizar tudo de ‘lindo e fofo’, ‘cor de rosa’ que se supoe que deveria ser as relações entre ‘mulheres’. Já que mulher né, é o sonho de feminilidade, bondade e doçura, assim deviam ser as lésbicas e suas relações. Aì quando as feministas encontram sapas feias, gordas, peludas e agressivas, bravas, elas detestam! E acusam a gente de ferir o feminsimo ou a imagem da lesbianidade!
Eu não tenho que provar nada para a heterorrealidade! Nos deixem com nossos problemas! Sâo séculos de massacre estamos tentando encontrar soluções e nos curar! E aceite: sem sua ajuda! Sem mais colonizador*s!

Saudações humanas…

“Bem -vindas …………… .

Sabe, eu sou lésbica há 30 anos. Eu me assumi quando tinha 21 anos, e em uma semana faço 51.

Vocês sabem do que a comunidade lésbica precisa?

Nós precisamos de um fórum cultural. Nós precisamos de um lugar na natureza, onde possamos ir e fazer o que fazemos melhor, que é celebrar a Mãe, celebrar umas as outras, amar umas as outras, falar de nossas vaginas, falar de nosso sangue, falar de nossas crianças, falar de nossas netas/os, falar da Mãe Terra, falar sobre consciência lésbica. E nos juntarmos e usar nosso poder enquanto mulheres para avançar nossa causa e nossa jornada.

Nós estivemos tão presas nessa conversa de identidade de gênero, e quem é realmente mulher, quem pode ser mulher e quem… Sabe, nós tivemos que lutar e gastamos muito tempo pontuando/dizendo algo que não tem como ser pontuado.

Por que deveríamos considerar tanto questões sobre identidade sexual, de gênero, masculina? ..Num momento em que nossos restaurantes estão sendo fechados, as estruturas educacionais que construímos, nossas organizações,…

Isso não é progresso. Quando a cultura e a identidade lésbica estão sendo diminuídas e nós não podemos dizer que somos mulheres, nós não podemos celebrar nossos seios, nossas vaginas, nosso sangue e nós estamos sendo barradas/excluidas na mídia, nas nossas comunidades. Isso é opressão.

Então o que pessoas oprimidas fazem? Não se dá a eles essa atenção, o que fazemos é dar a nós nossa atenção, dar às nossas causas nossa atenção, dar a nossa sexualidade nossa atenção, dar nosso cuidado.. Nós estamos ficando velhas, algumas estão tendo bebês, sabe, estamos em diferentes fases da nossa vida. Somos masculinas, somos femininas, somos andróginas, somos muitas coisas, mas somos mulheres e somos lésbicas e precisamos nos juntar. Temos que perceber o tempo nesse planeta, a divindade está nos chamando, a Mãe está nos chamando, esse planeta está em perigo, está sob o patriarcado e misógina há tanto tempo que estamos programas a brigar de uma forma.. Nós não… Nós temos uma inteligência entre mulheres e lésbicas que é muito mais abrangente do que o que esse planeta tem nos oferecer nesse momento. E eu imploro a nós mulheres que nos juntemos, usemos nossa babailá, nossa bruxaria, nossa ioruba, nossa medicina ancestral. Para que nós passamos fazer por nós o que sabemos que deve ser feito. É tempo pra isso. Esta na hora de todas as mulheres que amam mulheres se juntarem e dizerem a verdade sobre quem somos. ”

pippa fleming

JULIA, QUIERO QUE SEAS FELIZ

Margarita Pisano

Desde a Instituição, a análise de gênero se legitimou e se neutralizou, despolitizando o desequilíbrio perverso – entre mulheres e homens – em que o sistema se sustém e que nos está conduzindo, vertiginosamente, em direção à desumanização. O gênero situa o feminino e o masculino em uma relação assimétrica, sem transpôr a linha crítica do desmonte de seus valores e privilégios.
Essa macrocultura não se modifica com as demandas de igualdade dentro de si mesma e/ou na exaltação das diferenças, mas responde a uma lógica de superioridades-discriminações e à cegueira do orgulho de sua história e sua cultura.
As reivindicações não geram ideias diferentes das permanentemente rejuvenescidas pela masculinidade: a igualdade, o respeito, a tolerância, a liberdade, são conceitos elaborados desde o corpo histórico homem; suas reivindicações partem de uma história legitimada, a das mulheres, não. A liberdade vivenciada por um corpo mulher, domesticado e com potencialidades reprodutivas, é radicalmente distinta a do homem.
As mulheres foram acedendo à masculinidade – como fêmeas – e isso se confunde com mudanças culturais, quando só são de costumes. Penso que a liberdade, a igualdade, inclusive o amor, são boas ideias que, envolvidas em papel de presente, se transformam nas mais eficientes para perverter o desejo de autonomia e de verdadeira liberdade de cada ser humana.
Desde o lugar político-simbólico em que me situo, não acredito nesse sistema e em sua capacidade de mudança civilizatória, ao contrário, acredito que ele é capaz de gerar cada vez mais violência, como consequência de sua lógica, encarnada em um só corpo sexuado, histórico, válido. É questão de olhar… e ver… onde estamos e o que fazemos como humanidade. A masculinidade contém a feminilidade, é uma só ideologia e construto cultural. Esse olhar é crucial para entender a macrocultura vigente desde um lugar menos enganchado e contaminado por ela.
Nessa masculinidade/feminilidade, a que pensa, faz e ordena é a masculinidade. O coletivo de homens pensou e instalou as mulheres dentro da feminilidade. No entanto, o feminino não somos as mulheres, apesar de que somente nós tenhamos a experiência submetida da feminilidade. Trata-se de uma construção social, política, econômica e emocional desde um corpo alheio. A feminilidade não tem autonomia e nem um corpo pensado-pensante, valorado desde si mesmo: obedece quem pensa e assume aberrantemente a cultura masculinista como própria.
Se entendermos o monômio simbiótico do masculino-femenino dessa maneira, não é estranho que hoje em dia ou homens queiram recuperar o que lhes parece desejável na feminilidade, criada por eles e para eles. Dessa maneira, transitam de um patriarcado forte e duro para uma masculinidade mais plena e suavizadora de suas exigências e, sobretudo, de suas responsabilidades atuais e heróicas. Eu chamo a isso “el triunfo de la masculinidad”.
Se analisarmos desde AFORA, o último filme de Almodóvar, Hable con ella (prêmio Oscar), veremos essa projeção: os homens choram, cuidam, sentem, enquanto as mulheres de descerebram, seus corpos aparecem mudos, manipuláveis e violáveis; máxima realização da masculinidade/feminilidade, como expressão de sua grande fantasia.
Reivindicar a capacidade de emocionar-se e chorar, como se fosse o feminino em um corpo homem, me parece contaminado pela contraleitura de que uma mulher inteligente, ativa e pensante tem mais desenvolvida sua parte masculina (a cabeça). Ou seja, pensar, criar e fazer política, que são coisas constitutivas do humano, estão apropriadas pela masculinidade. Portanto, a operação de desqualificação e de submetimento das mulheres já está em marcha, e é mais profunda do que aparenta, mesmo quando a masculinidade reivindique parte da feminilidade para si; desse lugar simbólico, tira e põe o que lhe convém social, política e economicamente.
A operação feita pela masculinidade patriarcal – e que continua ressignificando a masculinidade moderna – foi deixar o corpo cíclico das mulheres atrapado na simbólica natureza-animalidade, despojando-o da criatividade intelectual humana, mas enfatizando sua intuição, seu amor-entrega e emocionalidade (descerebrando-o). Em contrapartida, o corpo homem, que também é natureza, foi transformado em pensante, falante e capaz de criar símbolos e valores, instalando-o em um protegido e vantajoso orgulho.
Por isso, há muitas diferenças entre desejar parte da feminilidade desde o lugar do poder (poder escolher feminilidades) e resistir a ela desde o lugar do dominado, como o fizeram muitas mulheres durante séculos, servindo os homens e sendo a força de reposição e reserva de seu sistema cultural. Não resgato Nada da feminilidade: o chorar não é um privilégio, a comodidade do feminino, para as mulheres, esconde escravidão; para os homens, representa liberdade.